Esta página foi traduzida usando IA e aprendizado de máquina.

Uma decisão recente de um tribunal europeu sugere que os usuários devem poder revender jogos de sua biblioteca Steam da mesma forma que os físicos.

De acordo com um relatório do site francês Next Inpact , o Tribunal de Primeira Instância de Paris constatou no início desta semana que a Valve estava violando a lei européia.

Em particular, as políticas das empresas sobre revenda de jogos são contrárias à lei que rege o livre fluxo de mercadorias.

Diz-se que, de acordo com essa lei, todos os produtos, incluindo software digital, devem poder ser vendidos, mesmo sem a permissão do editor ou vendedor original.

Obviamente, apenas uma única cópia pode ser vendida, não várias versões, mas a decisão diz que os usuários devem ter o direito de fazê-lo.

Dizem que a Valve tem três meses para corrigir a situação, mas a empresa afirmou que vai apelar da decisão.

Essa é certamente uma reviravolta interessante, especialmente considerando a controvérsia em torno dos sites de venda de chaves de CD como o G2A.

Também imaginamos o que acontecerá com outros serviços, como Uplay, Epic Store, Origin da EA e outros, se essa decisão for válida.

Outra coisa intrigante a sair da decisão foi o fato de a Valve tentar reivindicar o Steam como um serviço de assinatura.

Atualmente, não há nenhum serviço de assinatura no Steam que tenhamos conhecimento. Ao contrário dos serviços Xbox Games Pass ou Uplay + , que oferecem aos jogadores a capacidade de pagar uma taxa mensal pelo acesso a determinados jogos. Embora certamente gostaríamos de ver um. Heres esperando que isso seja uma dica para isso no futuro.